Marketing de Continuidade (em inglês Continuity Marketing), é um método de providenciar serviços e bens aos consumidores através de marketing direto, sendo que esse serviço é renovado continuamente sem um limite de tempo, este tipo de relacionamento só acaba quando o consumidor desistir do serviço.

A ideia simplificada é que um consumidor adquire um produto/serviço (normalmente a um preço inferior ao normal) diretamente do produtor ou distribuidor, no entanto isto não é uma compra é um contracto para fornecer periodicamente novos produtos e serviços (do mesmo tipo ou diferentes tipos), se o cliente não escolheu os produtos individualmente, a empresa pode escolher pelo cliente (normalmente baseado em compras anteriores), esta relação continua até o cliente informar quem o fornece para cancelar o serviço, de certa maneira é parecido com o género de faturação de um fornecedor tradicional de serviços básicos (TV, eletricidade, Internet,agua….) em que é não existe um termo definido para o fim do contracto.

Este género de marketing tornou-se bastante popular com clubes de livros ou clubes de cd’s, hoje em dia é mais comum em fornecedores de produtos frescos (em que pagas uma quantia fixa todos os meses, e em troca eles entregam na tua casa uma caixa de produtos frescos da época), na Internet, com clubes em que recebes t-shirts/laminas de barbear/etc todos os meses, serviços em que podes fazer download de um certo numero de musicas por mês ou no telemóvel em que recebes novos toques ou wallpapers todos os meses.

Não confundir com “Vendor Lock-in” marketing (explicação para outro dia), em que é vendido um produto a um cliente, mas o cliente para usar esse produto só consegue comprando ao fabricante também as “recargas” ou o quer que o produto necessite para fazer a sua ação, comum com as maquinas modernas de café com cápsulas/saquetas.

Como é óbvio, podemos ter produtos interessantes e práticos ou produtos questionáveis e enganadores, mesmo que praticas desonestas são menos comuns hoje em dia (como os toques nos telemóveis), no entanto esta técnica tem na sua essência alguns aspetos negativos, visto que tem uma maior tendência a levar o cliente ao engano, este pode pensar que está a adquirir um produto a um bom preço e não uma espécie de subscrição, e é claro que isto pode criar má publicidade ou pior, criar ressentimento e má relação com os clientes o que pode criar custos tanto na marca como em devoluções e apoio a clientes, por isso é o género de técnica que deve ser usada de uma forma muito clara, simples e honesta de forma a ter os melhores resultados.