Tagviabilidade

1 – Tens de ter uma Idea!

Para criar um negocio, tens de ter uma ideia do que queres fazer, quer seja um produto ou serviço ou uma combinação, ter uma ideia é essencial para todo o processo, aliás sem uma boa ideia, não existe um bom negocio, o sucesso está obviamente e intimamente relacionado com a ideia, então como é que vamos criar a nossa ideia perfeita?

Inspiração!

Para mim, tudo começa com inspiração, claro que podes pensar em ideias baseadas no que pessoas querem ou o que o mercado precisa, mas muito anda a volta de encontrar inspiração para um negocio, uma boa ideia, e como todas as inspirações, podem vir de qualquer lugar e a qualquer altura.

O importante é estar exposto a criar ideias, conceitos, produtos, e isso vem sempre através da inspiração, saindo da tua zona de conforto e experimentando coisas novas, a coisa boa é que não é uma coisa que se force, é algo que ocorre a qualquer altura, por isso é importante teres sempre algum caderno para ires apontando ideias.

Como exemplo, eu começo já com várias ideias porque tenho diversas ideias já apontadas, começo logo a questionar se alguém podia querer este produto, ou que problemas é que eu podia encontrar ou se alguém já fez isto, eu tenho demasiadas ideias e por experiência própria nem todas são boas, mas o fato de ter elas num caderno ajuda-me bastante tanto a recolher ideias como a agregar ideias e a escolher as melhores.

Conhece os teus Limites

Não no sentido que te deves limitar, mas mais onde estão os teus pontos fortes, porque afinal podes sempre aprender a fazer o quer que seja, ter sempre em mente onde está a tua vantagem pessoal, que é importante na conceção e delineação da tua ideia, tens de ser honesto nas tuas capacidades e não deixar a tua imaginação e desejos sobreporem ás tuas capacidades atuais.

Isto é importante porque permite antes de qualquer investimento saber em que ponto é que estás, que conhecimentos e capacidades tens de ter ou adquirir para poderes levar a ideia para a frente, não te esqueças que é o teu negocio e como tal depende totalmente nas tuas capacidades para atingir o sucesso, se tu não tens a capacidade necessária nem a melhor ideia do mundo vai ter sucesso.

Por ultimo tem em atenção que objetivo final é criar e correr um negocio a volta dessa ideia e como tal tens de ter também capacidades para gerir um pequeno negocio, onde coisas como paixão, experiência, ambição, resistência, confiança, organização e disciplina podem fazer a diferença entre um negocio de sucesso ou um desastre, não te esqueças que um negocio solido pode mudar de ideias mais tarde, criar produtos novos e adaptar-se a novas circunstancias.

Como exemplo, foca no que gostas de fazer, muitas vezes mesmo sem muita experiência acaba por ser o género de coisa onde consegues aprender e inovar com mais facilidade, manter as tuas ideias na tua área de ação é sempre uma vantagem para levares as tuas ideias a fruição, como no meu caso a desenvolver sites e aplicações.

Identifica um Problema

Ok tens uma ideia, então que problema é que esta ideia resolve? Não resolve nenhum problema? Então porque é que alguém vai querer pagar por isso, ou usar isso, ou visitar isso? Identificar um problema em si também pode ser uma forma de criar ou desenvolver uma ideia, tens um problema? Então que solução é que se pode arranjar!

Eu sei que nem todos os problemas tem solução e nem todas as boas ideias resolvem um problema, mas a cerne de um negocio é normalmente resolver um problema, sendo que quando resolve-se um problema que ninguém tinha ainda pensado ganha-se uma vantagem estratégica, é dai que provem as ideias originais e essas tem sempre tendência a ser as mais lucrativas.

O que eu quero dizer é que no processo de desenvolver e aperfeiçoar a ideia, tens de ter em conta o objetivo, quem é que vai beneficiar dessa ideia, qual é o mercado que se vai atingir, o que pode no final até mudar a ideia original para outros caminhos ainda mais lucrativos.

Como exemplo, eu tento sempre focar na originalidade das minhas ideias, que maneira diferente é que eu posso resolver um problema ou arranjar ideias relacionadas com tópicos e coisas que gosto de fazer se existem na Internet outros sites relacionados ou ate simplesmente arranjar um domínio novo e pensar num assunto que seja interessante e relacionado com ele.

Descobre a Viabilidade

Por fim tens de descobrir a viabilidade, basicamente não vale a pena começar o processo de tornar a ideia em realidade sem antes teres uma pequena noção da viabilidade desta, tanto interna, na tua capacidade de levar essa ideia a bom porto, como externa, se existe mercado para essa ideia.

A tua capacidade interna está centrada nos teus recursos, se tens a experiência e conhecimentos suficientes para criar essa ideia, se tens dinheiro e tempo suficientes para passar ao próximo nível? Essas perguntas tem de ter uma resposta, claro que ainda estamos longe do Plano de Negócios, mas já temos de ter algumas respostas para sabermos que viabilidade tem essa ideia, nem todas as ideias são complexas e dispendiosas.

A capacidade externa tem haver com o mercado para essa ideia, onde é que está, se pode ser acedido com facilidade, se está disposto a pagar ou usar o produto, se existe recetividade ou necessidade.

Claro que nesta fase do processo provavelmente não é necessário uma analise de mercado, ou algo assim mais complexo, mas é importante perguntar a algumas pessoas tanto offline como online, que poderiam querer o produto se estariam interessadas, se estariam dispostas a pagar, e retirar o máximo desses comentários, a ideia aqui é que estás a recolher informação imparcial, essa informação pode-te ajudar a definir a tua ideia ou a mudar ou a desistir, mas cria-se logo uma noção da viabilidade da ideia porque estas a analisar a tua ideia através de outra perspetiva.

Como exemplo, para a viabilidade do produto normalmente eu falo com amigos e membros da minha familia (dependendo do topico), ver o que é que acham, também vou procurar na Internet se existem produtos similares ou sites que estejam focados no mesmo assunto, tenho atenção para sites de perguntas e respostas a ver se existem muitas pessoas com o mesmo problema ou com dificuldades.

Por fim alguns pontos a reter!

  • Arranja uma Ideia > Descobre se Consegues Criar a Ideia > Resolve alguma Coisa > Se é Viável.
  • Não vale a pena forçar ideias, ou tens ou não tens, elas vem a qualquer altura, tens de ser paciente.
  • Não esperes que por teres uma ideia que ela é boa! Mesmo que seja segue o processo e descobre se é mesmo boa.
  • Escreve as ideias sempre em algum sitio, elas aparecem a qualquer hora.
  • Se estás encravado tenta brainstorming ou outras formas de apenas lançar ideias ao calhas para ver se encontras alguma boa ideia.
  • Se alguém já resolveu o problema ou teve a mesma ideia, onde é que podes inovar e ser diferente? e será que isso é melhor do que existe atualmente?
  • Sim! Deve-se ter estas precauções antes de criar o Plano de Negócios!

O Produto de Viabilidade Mínima

O produto de Viabilidade Mínima é uma estratégia cada vez mais utilizada para o desenvolvimento rápido de produtos, testando ao mesmo tempo a viabilidade do produto no mercado, é muito comum especialmente com paginas na Internet, e serviços e aplicações ligados com a Internet (onde se pode lançar um produto mais facilmente e rapidamente).

Então o que é um Produto de Viabilidade Mínima?

É qualquer produto que tem as funções mínimas para poder ser lançado no mercado e não mais do que isso, isto é, o produto tem o mínimo de funções que sejam fundamentais e estejam no cerne do produto (ou que pelo menos ajudem os clientes a verem as possibilidades futuras do produto). Normalmente são lançadas a um grupo restrito de primeiros clientes (normalmente diz-se que está num beta fechado), normalmente esses clientes são o que se chamam de “early adopters” (pessoas que adirem cedo a novos produtos), visto que tem tendência a ser mais flexíveis e perdoarem mais falhas iniciais, como também tem tendência a ser mais vocais e apontar as falhas ou necessidades do produto.

Esta estratégia tem múltiplos benefícios, primeiro ajuda a empresa a ver se o mercado estaria interessado no produto antes de gastar tempo e dinheiro a o desenvolver, também permite ajudar a angariar mais fundos através de empréstimos ou investidores sendo que se pode mostrar a estes alguma coisa já feita, claro que nem todos os produtos tem propensão para esta técnica, por exemplo um produto minimalista que faz uma coisa muito bem, não é um produto de viabilidade mínima, visto que esse produto já está praticamente acabado, a ideia aqui é criar um processo interativo entre quem desenvolve o produto e o seu mercado, de forma a iterar e desenvolver o produto de acordo com o que o mercado deseja.

Um Produto de Viabilidade Mínima pode ser um produto completo ou uma parcela de um produto (uma nova função do produto), algumas técnicas incluem:

  • Teste de Fumo : Cria-se uma pagina na Internet ou uma aplicação mínima que não tem nenhuma funcionalidade ainda, mas através das redes sociais ou publicidade, leva-se pessoas á pagina, e vê-se através das estatísticas se as pessoas carregam em comprar ou vão ver mais informação sobre o produto (como o produto não existe, normalmente uma pessoa recebe uma resposta do tipo, pôr o e-mail para receber uma mensagem quando o produto estiver á venda).
  • Lança Primeiro/Cria Depois : Cria-se um link ou paginas para uma nova função de um software existente e promove-se essas paginas (dando destaque), explica-se que é uma função que está a ser desenvolvida, e pede-se desculpa por não estar ainda disponível, e de acordo com as estatísticas pode-se ver se existe interesse ou não.

Desta forma torna-se numa técnica bastante eficiente de analise do mercado, podendo-se ver quais os produtos que tem viabilidade muitas vezes antes sequer de terem sido criados, desta forma evita-se a visão mais tradicional de gastar tempo e dinheiro a implementar um produto e só depois testa-lo no mercado. Um produto de viabilidade mínima tende a ser uma ideia que cresce de acordo com informação explicita (muitos e-mails de clientes satisfeitos ou entusiastas) ou implícita (torna-se viral/popular na Internet, muitas visitas á pagina do produto) dos futuros clientes do produto.

Alguns Exemplos Famosos de Produtos de Viabilidade Mínima:

  • Apple Iphone – A primeira geração não tinha diversas funções que são essenciais num smartphone, tais como procurar ou copiar/colar.
  • Dropbox – Recebeu o seu investimento antes do produto ter sido criado, tudo baseado num vídeo dos criadores a explicar o que queriam fazer.
  • Yahoo – Era inicialmente apenas uma pagina básica com uns links para outras paginas na Internet que um par de estudantes gostavam.

Calcular Rapidamente a Viabilidade de um Negocio

Primeiro vamos ver isto bem, eu não estou a dar uma lição de planeamento estratégico, nem a substituir, aliás a única forma correta de ver a viabilidade de um negocio é com planeamento estratégico e um plano de negócios (coisas para artigos futuros…), não existe grande maneira de dar a volta a isso, aliás para se conseguir investidores ou empréstimos para um negocio ambas as coisas são essenciais.

Isto é mais um resumo rápido das noções do planeamento estratégico, saltando uns passos, e focando numa forma mais simples de avaliar um negocio, então quais são as 3 perguntas que o planeamento estratégico quer responder?

  1. O que é que fazemos?
  2. Para quem é que fazemos?
  3. Como é que somos os melhores?

Até aqui são simples questões, mas ao mesmo tempo fulcrais para um negocio, então como é que chegamos o mais rapidamente possível a respostas, aqui está o que eu faria, depois de ter uma boa ideia para um negocio…

  1. Concorrentes – Começar a procurar os potenciais concorrentes nesse mercado, ver o que fazem bem, como é que fazem, não necessariamente para imitar mas para saber o que explorar e o que evitar.
  2. Proveitos – Depois ver o quanto atraente é esse mercado (uma rápida analise de Porter não é uma má ideia), se o mercado ainda está aberto, se está a crescer, quais são as perspetivas de crescimento.
  3. Custos – Tentar identificar os custos, quanto é que custa começar, tentar encontrar especialmente os custos que estão fora do nosso controlo.
  4. Vantagens – Identificar a vantagem competitiva do nosso negocio, vamos produzir melhor, vamos ter um melhor preço, vamos inovar de uma forma que é difícil replicar, vamos ser mais rápidos, etc.

E já tá! bem nem por isso mas se tiveres números honestos e realistas, consegues rapidamente saber se vale a pena perseguir essa ideia e já tens uma resposta simplista para as 3 perguntas, assim podes saber se vale a pena gastar mais tempo e dinheiro a desenvolver um completo planeamento estratégico para o negocio.

© 2018 Empregado na Internet

Por S2RUp ↑