As Cinco Forças de Porter

Antes de tratar de analisar a viabilidade da ideia e do negocio acho que é importante revisitar as 5 forças de Porter, concebido por Michael Porter, é um dos quadros estratégicos mais importantes sobre a competitividade da empresa e a atratividade de um mercado. Por 5 forças queremos basicamente dizer 5 fatores competitivos que são importantes estudar e ter em conta ao desenvolver uma estratégia empresarial eficiente, para precaver contra essas forças mas também para encontrar nelas vantagens competitivas para a empresa.

A analise dessas forças tem de ter sempre em conta que os mercados e as forças estão sempre em constante mutação e como tal, requerem uma constante re-avaliação e analise de forma á empresa ter sempre uma visão completa da atratividade da industria ou mercado que está inserida e a sua capacidade de fazer face a fatores externos que podem limitar a sua capacidade de servir os seus clientes e obter lucro.

Diagrama Comum das 5 Forças de Porter

As 5 Forças de Porter estão divididas em 3 forças horizontais (Produtos Substitutos/Perigo de Rivais/Entrada de Novos Rivais) e 2 forças verticais (Poder Negocial de Clientes/Poder Negocial de Fornecedores):

Rivalidade entre os Concorrentes

A relação entre a empresa e os seus concorrentes e a relação entre os concorrentes é um fator determinante para a competitividade do mercado, os rivais são agentes que tendem a competir agressivamente em relação ao preço, inovação, promoção, tentando ativamente captar clientes uns dos outros, por vezes indo ao ponto de diminuir as próprias margens para adquirir mais quota de mercado.

Neste ponto deve-se ter em conta:

  • Número de concorrentes e repartição de quotas de mercado;
  • Taxa de crescimento da indústria;
  • Diversidade de concorrentes;
  • Complexidade e assimetria informacional;
  • Nível de publicidade;
  • Grau de diferenciação dos produtos;
  • As barreiras à saída .

Exemplo: Uma empresa conhecendo de antemão o mercado e os seus concorrentes pode decidir criar produtos que não são facilmente copiados ou pode decidir não concorrer nesse mercado e dirigir-se para um nicho de mercado especifico de forma a evitar ou sobrepor-se á sua concorrência.

Poder de Negociação dos Clientes

Os clientes dependendo do mercado podem ter maior ou menor capacidade de influenciar uma empresa, exigindo melhores preços ou mais qualidade nos bens e serviços, forçando a mão da empresa e podendo fomentar a concorrência entre diversos concorrentes.

Neste ponto deve-se ter em conta:

  • Análise RFM (economia)
  • Preço da compra total
  • Disponibilidade de informação do comprador em relação ao produto
  • Existência de produtos substitutos
  • Da sua dimensão enquanto clientes
  • Da sua capacidade de integração a montante

Exemplo: Num mercado com muita concorrência, um cliente tem mais escolha e como tal está numa posição de poder fazer maiores exigências, como também uma empresa com um produto exclusivo, desejado e de difícil duplicação pode ditar aos seus clientes o seu preço.

Poder de Negociação dos fornecedores

Os fornecedores de matérias-primas, componentes, serviços podem deter sobre a empresa uma grande fonte de poder, se o fornecedor for único e com uma matéria única, então inevitavelmente detém uma elevada influencia sobre a empresa e os seus produtos, podendo forçar o aumento do preço ou mudança de materiais.

Neste ponto deve-se ter em conta:

  • Grau de diferenciação dos insumos
  • Custo dos factores de produção em relação ao preço de venda do produto
  • Ameaça de transmitir integração dos fornecedores em relação à ameaça de integração por outras empresas
  • Ter somente um fornecedor para a empresa pode ser um ponto fraco, caso o fornecedor venha a falir ou mesmo a elevar os preços de matérias-primas muito maior em relação a concorrência.
  • Ameaça de integração a montante ou a jusante.

Exemplo: Se a empresa detém vários fornecedores para os mesmos produtos, esta pode negociar sempre melhores condições e ter flexibilidade para continuar a produzir mesmo com quebras de fornecedores, mas se o fornecedor for único, existe um risco grande da empresa ficar limitada por causa do seu fornecedor, na Internet isso é comum com produtos que usam API’s de outras empresas, isto é outra empresa é que controla o funcionamento ou não do teu produto.

Ameaça de Entrada de Novos Concorrentes

A pergunta é simples, será que é fácil entrar no nosso mercado? Qualquer barreira, seja legislativa, cultural, localização, custo, patentes, clima, língua, quota de mercado, concorrência, etc. que pode tornar difícil a outra empresa entrar ou fixar-se no mercado torna o mercado menos atraente para entrar e como tal a ameaça de entrada de novos concorrentes é baixa.

Se pelo contrário, o mercado é fácil de entrar (como a Internet), então existe sempre o risco de concorrência acrescida e perda de rentabilidade, não á que esquecer que estas barreiras á entrada são uma vantagem competitiva da empresa já estabelecida.

Neste ponto deve-se ter em conta:

  • A existência de barreiras de entrada (patentes, direitos, etc)
  • Acesso aos canais de distribuição
  • Diferenciação dos produtos
  • Exigências de capital
  • Políticas governamentais
  • Marca
  • Vantagens absolutas de custo
  • Economia de escala
  • Custos de transição

Exemplo: A entrada de uma empresa estrangeira em Portugal implica sempre conhecer a burocracia local, a língua portuguesa e a cultura portuguesa, o que implica que uma empresa local tem sempre essas vantagens em relação a qualquer novo concorrente vindo do estrangeiro, mas se uma empresa estrangeira só quer vender o seu produto em Portugal então é mais fácil, existe uma rede já de distribuidores, usa-se o euro, a linguagem de negócios é o inglês e como tal promover e lançar o produto tem muito menos barreiras a superar.

Ameaça de Produtos Substitutos

Por ultimo é a inovação e a criação de produtos que não são facilmente copiados ou das quais existem alternativas, a existência de bens e serviços que facilmente podem ser substituídos no mercado, deixa a empresa vulnerável e vai sempre limitar os seus lucros, visto que esta vai quase sempre ter de negociar no preço e não no valor intrínseco do produto.

Mais ainda se é facilmente substituído, pode também torna-se obsoleto mais rapidamente e como tal tornar-se um custo acrescido para a empresa, porque não pagou o custo de o criar ou porque vai custar mais a desenvolver um produto novo, também neste ponto a empresa tem de ter atenção a mudanças ou tendência do mercado, visto que um produto pode tornar-se obsoleto por outros produtos que tem pouca ou nenhuma relação mas acabam por saciar o mesmo desejo dos consumidores (por exemplo produtos de luxo).

Neste ponto deve-se ter em conta:

  • Relação preço/rendimento
  • Nível de diferenciação do produto
  • Poder de barganha do comprador
  • Qualidade do produto

Exemplo: Competir no mercado das margarinas tem competição tanto de outras marcas e empresas como também numa serie de outros produtos complementares ou substitutos, logo o produto compete quase sempre no preço e pode ser facilmente substituído por outros. No outro espectro a Apple vende computadores e existem outras marcas, fabricantes e modelos, no entanto ninguém usa o software/design/marca da Apple e como tal os produtos da Apple são de muito mais difícil substituição, e a Apple pode ditar os seus preços.

Por fim deve-se ter em conta que as 5 forças de Porter são acima de tudo uma forma de começar a analisar a posição da empresa/produto no mercado, logo não tanto uma estratégia a seguir, mas mais um ponto de começo para a estratégia da empresa, acima de tudo porque as 5 forças tendem a reduzir o universo, e existem outros fatores tão ou mais influentes como as 5 forças, tais como parcerias (com concorrentes ou empresas que se complementam), governo (burocracia, apoios, legislação, investimentos), o publico (não os clientes, mas o publico em geral, a perceção da marca), etc

O que providencia acima de tudo é de uma versão simplificada de como analisar as forças e posições competitivas da empresa nos mercados que quer atingir e as forças competitivas que regem esses mercados de forma a poder elaborar uma estratégia inteligente para abordar esse mercado.

← Previous post

Próximos artigos →

2 Comments

  1. Olá, gostaria de saber o nome do autor do artigo.

    Obrigada.

    • Que pergunta esquisita, bem é fácil de descobrir o meu nome :D Ganhas pontos extra!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *