Não é nenhum segredo, que historicamente a banca portuguesa não e a mais… vamos dizer… competitiva, sempre ofereceu produtos razoáveis a juros razoáveis, nada espetacular, mas também nada assim tão mau, claro que muito disso é simplesmente por sermos um pais pequeno e isso induz a pouca competição e a banca forma quase um pequeno cartel em que os preços e produtos acabam por convergir numa mescla de produtos básicos fracos e produtos excitantes complicados e na maior parte das vezes enganadores.

Antigamente a banca em Portugal queria e prezava os seus clientes e o seu dinheiro, hoje em dia a banca em Portugal quer devedores e pagadores, querem ser vistos como um fornecedor de serviços primários, o que torna toda a situação um pouco ridícula, com a banca informatizada, os custos dos bancos e das operações é quase nulo (o dinheiro só existe informaticamente) e os bancos decidem cobrar cada vez mais taxas por tudo, inclusive a tão afamada “taxa de manutenção”, ou taxas por transferências bancarias, o que é esquisito, visto que os custos deles baixam todos os anos mas cada vez custa mais a um cliente ter uma conta e usar um banco!

De qualquer forma, e devido a situação atual os juros vão continuar a ser baixos, e pior vão continuar a ser abaixo da inflação, então o que fazer? Eu já falei um pouco sobre isto no meu artigo sobre parar de gastar dinheiro!, mas agora em relação aos juros da banca, o que fazer então com as taxas de juro baixas?

  • Vai á Compra de Bancos – Mesmo com a falta de competitividade, existem bastantes bancos e diversidade de serviços, alguns podem ser melhores para contas á ordem e outros para contas a prazo, descobre o que é que os bancos oferecem, procura na Internet ou usa por exemplo os comparativos da DECO.
  • Olha para o Juro – Nem todos os juros são iguais, dai o uso de siglas como TANB, TAE, TANB para as taxas, e dizem coisas como taxa de 10% TANB durante 1 mês, ena ena 10% isso é fantástico…. não! isso é treta, estamos a falar de uma taxa anual bruta, que não conta impostos ou outras taxas, mas o período que estão a oferecer é 1 mês, logo os 10% não querem dizer grande coisa, tu não vais receber nem de perto nem de longe 10% do teu investimento, aliás não ias receber se deixasses o dinheiro por 1 ano, logo olha bem para o juro e pede sempre por algo que podes comparar com outras contas e outros bancos, do género, quanto é que vou ganhar em euros se fizer esse deposito.
  • Não vás na Cantiga dos Juros – Por exemplo, uma conta á ordem com juro de 0.5% é uma treta se pagas uma taxa de manutenção de 5 euros ao mês (60 euros de custo de manutenção por ano, para pagares esse custo com o juro que ganhas, tens de ter na conta durante 12 meses, mais de 12.000 euros), e isso é se os 0.5% são juro liquido, se for bruto tens de ter ainda mais durante o ano, toma atenção a todos os custos e ganhos, lá porque tem juros não quer dizer que ganhas alguma coisa, a maioria das vezes mais vale uma conta sem taxa de juro mas também sem taxa de manutenção.
  • Usa só Conta á Ordem e Conta a Prazo – Porque estas contas estão protegidas pelo fundo de proteção governamental dos depósitos (até 100.000 euros), e claro mantém o equilíbrio entre ambas as contas de forma a ganhares o máximo possível, não vale a pena ter 10.000 euros á ordem se não fazes intenção de usar.
  • Não Aceites Gato por Lebre – Se o produto é promovido pelo Cristiano Ronaldo ou pelo Mourinho ou outra estrela qualquer, o mais provável é ser uma treta, quanto mais complicado for o esquema mais deves evitar, coisas com múltiplas taxas, com prémios, tornar o cliente VIP ou com esquemas com produtos financeiros, é tudo de evitar, a maioria das vezes é um mau negocio e todos esses esquemas estão fora da proteção governamental dos depósitos (que só abrange contas á ordem e contas a prazo).
  • Negoceia com o Banco – Queres pôr algum dinheiro a prazo? Vai negociar com o banco, a banca em Portugal espera que negocies, eles vão exigir que ponhas mais dinheiro, ou prazos mais alargados, mas negoceia sempre para prazos mais curtos acima da inflação e com possibilidade de retirar o dinheiro quando quiseres! Se não querem, podes sempre ir para outro lado.
  • Várias Contas de Banco – Nem todas as contas exigem taxas de manutenção, se não exigirem não existe razão para não teres mais de uma conta, e usares os produtos de vários bancos de acordo com quem te dá mais.
  • Não Domiciliar o Ordenado – Domiciliar o ordenado é uma forma de prender-te ao banco, eles fornecem serviços que deviam ter sempre fornecido como forma de te “premiar” por domiciliares o ordenado, não vás pela conversa, quase todos tem muitas condições que podem custar-te mais a longo prazo (se és despedido ou queres mudar de banco), consegues sempre melhor sem ter de te sujeitares a essas coisas.
  • Equilibra Ganhos com Flexibilidade – Não faz sentido criares um deposito a prazo a 1 ano com um juro maior se o mais provável é teres de retirar o dinheiro mais cedo e perder juros, ou pior se a conta não deixar retirar o dinheiro, é preferível um juro um pouco inferior mas maior flexibilidade e liquidez com o teu dinheiro.

Lembra-te que estas dicas são boas pessoalmente mas também enquanto geres o teu negocio, tens de ter a mesma mão firme com os bancos que se fizerem o que normalmente fazem só te criam mais problemas e custam-te mais do que ganhas, também não se esqueçam que estamos em crise, mas mesmo depois de o BPN e o BPP terem falido nenhum português perdeu o dinheiro que tinha á ordem e a prazo.

Nota 1: As pessoas que perderam algum dinheiro com o BPP foram as que tinham investido nos tais produtos financeiros que ofereciam tudo e mais alguma coisa.

Nota 2: Glossário das Taxas Praticadas pelos Bancos!

  • Taxa Anual Efetiva (TAE) – Percentagem que inclui todos os custos associados ao empréstimos, como as comissões bancárias, os juros, as despesas de avaliação e de análise do processo, o montante e o prazo da operação.
  • Taxa Anual Efetiva Global (TAEG) – É o custo total de um crédito para o consumidor. É expresso em percentagem e é composta pelas despesas de cobrança de reembolsos e pagamentos de juros. Os encargos obrigatórios com os impostos, selos fiscais, seguros, comissões, entre outros, também estão incluídos nesta taxa.
  • Taxa de Juro Anual Nominal (TAN) – Taxa à qual são calculados os juros do crédito, refletindo o preço a que se empresta dinheiro. Não inclui impostos nem outros encargos.
  • Taxa Anual Nominal Bruta (TANB) – Remuneração de uma aplicação financeira. È uma taxa anual devido ao período a que se refere; é nominal porque pode não levar em conta o período efetivo da aplicação e é bruta porque está corrigida da retenção de impostos por via do IRS feita pelo banco.
  • Taxa Anual Nominal Líquida (TANL) – É igual à TANB, mas não desconta os impostos.